FÓRUM Inovar na Construção
Construção civil,  aquecimento, águas sanitárias, ventilação, revestimentos, isolamento térmico, caixilharias, arquitectura, legislação, e MUITO MAIS.
Participe com a sua experiência ou o seu caso.Participe com disciplina e numa abordagem esclarecedora. Lembre-se que alguém que ajuda hoje o poderá ajudar amanhã.Se tiver alguma dificuldade no seu registo por favor contacte-nos em geral@foruminovarnaconstrucao.ptFÓRUM Inovar na Construção - Registe-se...Veja as novidades mais recentes em www.inovarnaconstrucao.pt

Pavimentos cerâmicos: combinar a separação e aderência ao suporte

Schlüter-Portugal

  • Inovar
  • ****
    • Mensagens: 2.044
    • Concordo/Discordo: +14/-0
    • Schlüter Portugal
Já se questionou porque os carpinteiros do passado criavam as conexões das partes de uma peça de mobiliário por meio de juntas de encaixe, bastante complexas de fazer, em vez de simplesmente pregar ou colar as peças?


Junta de rabo de andorinha na mobília

Junta de rabo de andorinha: aprendemos a técnica tradicional com Mastro Geppetto

A razão reside na necessidade de garantir a cada eixo do móvel a sua liberdade de movimento , sem contudo perder a solidez de todo o móvel.

Uma peça de mobília malfeita, rigidamente colada ou pregada, quebraria com rachaduras visíveis e logo perderia toda a sua estabilidade, enquanto a mobília criada pelos antigos mestres artesãos de encaixe resistia por séculos.

A concessão de movimento livre a componentes individuais é uma necessidade recorrente também na construção . Um edifício completamente rígido não suportaria, eventualmente desabaria ...

Piso cerâmico: garantia de liberdade de movimento em caso de dilatação

Infelizmente, o advento da química e seu alto desempenho muitas vezes nos fazem esquecer essa regra fundamental.

Basta pensar na estratigrafia de um piso de cerâmica, feito com modernas colas de cimento de alta performance. Imagine, uma peça cerâmica tamanho 30x30 colada com uma cola de cimento da categoria C2, agora de qualidade padrão em construção, resiste a uma força de rasgo vertical de 18 toneladas. Em vez de colada ao substrato, esta conexão pode ser considerada uma “solda” com o substrato de assentamento.

Mas um substrato de assentamento e um ladrilho de grés porcelânico são materiais muito diferentes, com grandes diferenças na expansão durante a operação .

Todos os materiais de construção estão continuamente sujeitos a expansões, tanto devido ao seu amadurecimento como às mudanças de temperatura ao longo do dia ou nas várias estações do ano.

Agora imagine um substrato típico como uma betonilha com uma expansão térmica muito maior do que a expansão térmica de um grés porcelânico rígido. Com a “soldagem” de uma cola cerâmica moderna, os dois materiais ficam presos um ao outro , até que as forças de corte se tornem tão insuportáveis ​​que o material que menos se expande (ou seja, o grés porcelânico) quebra inevitavelmente .


Rachadura na betonilha leva à quebra do revestimento

Mas como podemos evitar isso? Sempre confiando na “tradição perdida”.

A experiência dos antigos trabalhadores consistia em "separar" materiais de diferentes naturezas. Podemos ver isso nas incrustações colocadas no chão em monumentos históricos, como igrejas. Pisos que resistiram a centenas de anos, talvez parcialmente desgastados pelo pisoteio de gerações de fiéis, mas não rachados.

SEPARAÇÃO e ADESÃO são dois princípios construtivos válidos e indispensáveis, impossíveis de respeitar ao mesmo tempo?
A multinacional Schlüter-Systems , inspirada na técnica de cauda de andorinha, conseguiu combinar todas as vantagens da separação com os requisitos de adesão em um único sistema.

Assim, a lâmina Schlüter-DITRA nasceu na década de 1980 .


Desacoplamento do sistema Schluter-DITRA25 em adesão

Graças a uma solução patenteada engenhosa, que em um aspecto moderno retoma o antigo conceito de cauda de andorinha, as lâminas Schlüter-DITRA não desempenham apenas a função do chamado " Bridging de rachadura " (ou seja, atuar como uma ponte sobre rachaduras pré-existentes ), mas também compensar e tornar inofensivo o revestimento cerâmico mesmo as fissuras  que surgem no suporte durante o funcionamento após a instalação.

Além disso, a membrana Schlüter-DITRA distribui uniformemente os pesos do revestimento cerâmico ao substrato . Pequenas irregularidades inevitavelmente presentes nas betonilhas são assim "perdoadas".


A membrana DITRA25 absorve fissuras na betonilha e não as transmite para o revestimento

Schlüter-DITRA, a lâmina de desacoplamento sob o acabamento de cerâmica

Uma solução testada há mais de 30 anos e agora também expressamente mencionada e recomendada nas normas e Manuais de Boas Práticas.

As antigas tradições artesanais de Maestro Geppetto, hoje dão longa vida à cerâmica!

Para mais informações,  pode consultar o site www.schluter.pt ou consultar através de info@schluter.pt





Orange: the original!